Periodontia »

Ao contrário do que muitos pensam na idade adulta a maior causa da perda de dentes é devido a doença periodontal, não à carie que predomina em pacientes jovens explicado na Odontopediatria.

Em pacientes adultos a causa predominante falta de dentes é a perda óssea. É necessário que se faça acompanhamento rotineiro com o especialista em gengivas, o Periodontista afirma Dra. Camille Vanini

 

As "doenças das gengivas" ainda são desconhecidas por muitos que não dão importâncias aos sinais fornecidos pelo nosso organismo, acarretando na sua evolução destruindo osso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fases de Tratamento

 

Tratamento Inicial


Preventivo, visitas regulares que variam de 2 a 6 meses, dependendo da gravidade da doença a fim de evitar a evolução da gengivite e a perda óssea.

 

Tratamento Avançado


Raspagem com aparelho de ultra-som e manual

Uso de Laser
Enxerto ósseo
Implantes quando bem indicados, ápos a estabilização da perda óssea.

 

Avanços da ciência


Os implantes foram uma grande revolução na odontologia que é uma execelente alternativa para perdas dentárias que a doença periodontal foi controlada . O enxerto ósseo aumenta o sucesso da técnica ajudando a osteointegração dos implantes que apoiaram as futuras próteses "coroa ou dentes".

 

Terapia ou Tratamento Periodontal


A terapia periodontal de suporte é determinada pelo nível de controle de placa do paciente é a severidade da doença; grau de compreensão e conhecimento do paciente; patogenia, velocidade de formação e amadurecimento da placa; resistência à infecção produzida pela placa; variação dos fatores de retenção de placa; profundidade da bolsa; sangramento a sondagem; estado de saúde do paciente após a terapia periodontal; grau de destruição periodontal / idade do paciente; dentes com pouco suporte periodontal mesmo após o termino do tratamento com sucesso e hábitos oclusais. Estas consultas, baseadas na avaliação de risco, poderão ser mensais, tri ou quadri mensais, semestrais ou anuais. Inicialmente, é imperativo realizar o controle da infecção periodontal. Para isso, devesse realizar a raspagem e alisamento corono radicular de todos os sextantes, orientação de higiene oral, remoção de fatores iatrogênicos e antibioticoterapia . A avaliação da evolução do caso após o tratamento, retratamento e complementação cirúrgica (quando necessário), exodontia e acompanhamento por três meses por meio de sondagem, radiografias periapicais, reforço na orientação de higiene e preservação.

 

Periodontite Agressiva

 

A Aggregatibacter actinomycetecomitans, antigamente conhecida como Actinobacillus actinomycetecomitans é o patógeno mais fortemente relacionado a 90% das periodontites agressivas, os locais da doença ativa possuem níveis elevados de A.a(alta virulência), porém outros patógenos como por exemplo: A Prevotella intermédia, Campylobacter rectus, Fusobacterium nucleatum, Treponema denticola, Selonomonas, eikenella corrodens, Capnocytohaga ssp estão encontados a P.g. (Porphyromonas gingivalis), é o principal patógeno encontrado nas periodontites agressivas generalizadas – denominadas na classificação antiga como periodontites de progressão rápida. A periodontite agressiva pode ser localizada ou generalizada e tem predileção por grupos de dentes primeiros molares e incisivos é pode ter um histórico familiar.

 

Periodontite Crônica

 

A periodontite crônica - ou antiga periodontite de adulto, mostra um paciente com grande quantidade de placa e cálculo supra e sub gengival, defeitos ósseos retos e angulados e com idades mais avançadas. Ou seja, estes pacientes apresentam doença compatível com a quantidade de agentes patógenos presentes. Os pacientes normalmente apresentam a gravidade da doença compatível com a quantidade de placa existente (placa supra e sub gengival). Pode apresentar sangramento provocado ou espontâneo (dependendo da gravidade), mobilidade, halitose, diastemas patológicos, normalmente generalizada, bolsas de várias profundidades, exsudato, migração patológica, colapso de oclusão, recessões, exposição e envolvimento de furcas, de progressão lenta e a reabsorção óssea, predominantemente na direção horizontal. Considerada generalizada por acometer mais de 30% dos dentes envolvidos. As bactérias normalmente envolvidas são P. gingivalis, Tannerella forsythia e Treponema denticola.

 

O plano de tratamento periodontal tem por objetivos: a diminuição do edema inflamatório, e, conseqüentemente, a diminuição do sangramento; diminuição da profundidade das bolsas; aumento do nível de inserção e diminuição da mobilidade dental. A terapia periodontal de suporte implica na necessidade básica dos procedimentos terapêuticos de suporte para que os pacientes, através de esforços próprios, possam controlar a infecção periodontal. Uma cuidadosa manutenção periodontal utilizando a motivação e re-instruçao de higiene oral pós – terapêutica é parte integrante do tratamento e se constitui, talvez, na única forma de garantir por longo período os efeitos benéficos da terapia aplicada. O grau de sucesso da terapia depende do período na qual a formação da placa supra e sub gengival é evitada pelo controle mecânico da mesma (o controle de placa mal sucedido resulta em perda adicional de inserção) e da manutenção da terapia aplicada e do controle de placa realizada pelo próprio paciente.

Bate Papo com o Especialista

Periodontista Dra. Camille Vanini

Periodontia » Saiba mais